Arquivos do Blog

Facebook supera Orkut em tempo médio de uso no Brasil

O Facebook ainda não ultrapassou o Orkut em número de usuários e nem de visitas no Brasil, mas já passou a ser mais utilizado em termos de tempo por usuário. Isso porque o tempo médio mensal gasto por usuário no Facebook no país superou pela primeira vez, em novembro deste ano, o tempo que o user do Orkut fica on-line por mês na rede social.

No penúltimo mês deste ano, os usuários do Facebook permaneceram online, em média, 20 horas e 59 minutos, enquanto que os users do Orkut navegaram na rede do Google, em média, 19 horas e 59 minutos em novembro, segundo dados da Experian Hitwise. Em outubro tais tempos ficaram em 20 horas e 33 minutos e em 22 horas e 44 minutos, respectivamente. No Twitter, o tempo média mensal gasto por usuário em novembro foi de 14 horas e 26 minutos, enquanto no Google+ totalizou 5 horas e 33 minutos, e no LinkedIn, 7 horas e 11 minutos. Esse maior tempo de uso do Facebook em relação ao Orkut é uma tendência e essa diferença deve aumentar nos próximos meses. Isso ocorre por dois motivos. Primeiro, devido ao avanço no número de usuários do Facebook, fato que permite uma maior interação e relacionamento entre os users, o que repercute em maior tempo de uso. Segundo, devido a serviços e aplicativos existentes dentro do Facebook, em número cada vez superior, que acabam por prender mais o usuário na rede.

No que tange a audiência, entretanto, o Orkut manteve a liderança no Brasil, respondendo por 35,44% de todas visitas realizadas nas redes sociais. Tal parcela representou queda de 2,97 pontos percentuais em relação aos 37,41% de outubro, e de 21,96 pontos percentuais na comparação com novembro de 2010. O Facebook fez o caminho inverso e sua representatividade cresceu 2,18 pontos percentuais ante outubro e 24,13 pontos percentuais frente a novembro de 2010, alcançando 29,68% no mês de novembro deste ano no país.

O Youtube apareceu no terceiro lugar do ranking de share de visitas em novembro, com participação de 18,26%. Já o Twitter ocupou o quinto lugar em audiência, respondendo por apenas 2,47% do total. Entretanto, essa participação do Twitter é impactada pelo fato de grande parte dos acesso à rede de microblog ser realizado por meio de aplicativos móveis ou aplicativos como Tweetdeck, HoostSuite e Seesmic.  O LinkedIn, por sua vez, figurou somente na 14ª posição, com 0,18% de market share de visitas a redes sociais no Brasil.

“Like” é o primeiro passo, mas sozinho não significa engajamento

O simples fato de um usuário curtir a página de uma empresa/marca no Facebook ou seguir o perfil desta no Twitter não garante que ele se engajou com marca, ou que é um grande fã desta.  Isso porque esse seguidor ou fã só estará engajado quando interagir com marca, seja comentando sobre seus conteúdos ou os replicando, entre outras atividades. Esse é um erro comum em estratégias de social media de algumas empresas, que já entendem ter garantido o engajamento do usuário após ele  simplesmente curtir sua página no Facebook. Até porque, boa parte dos fãs e seguidores dos perfis das marcas/empresas não tem nenhuma interação com estas nas redes sociais. A conquista desse fã/seguidor é apenas o primeiro passo, que representa o início de um relacionamento entre a empresa e o cliente. O engajamento será fruto de uma estratégia de relacionamento bem trabalhada e que traga relevância para o usuário.

Tal fato é ilustrado por pesquisa realizada pela ExactTarget nos Estados Unidos, e publicada pela eMarketer, que mostrou que 42% dos fãs de páginas de empresas/marcas no Facebook disseram que as empresas podem considerar que ao ele “curtir” sua fan page , poderão passar a ser um “advogado” ou fã real dela. Já 25% dos respondentes afirmaram que apesar deles terem “curtido” a página da companhia/marca, isso não garante que são advogados ou reais fãs destas.

Mas, qual é o principal motivo para um usuário não “curtir” uma página de empresa/marca ou dar “unlike” nesta no Facebook? E o que aqueles que dão “like” nestas páginas esperam das empresas/marcas?

O mesmo estudo pontuou que 54% dos entrevistados citaram como principal motivo por não “curtir” a página de uma marca/empresa o fato de que não querem ser bombardeados com mensagens e anúncios da empresa. Já 45% não querem dar acesso às suas informações e perfil para a empresa e 31% não querem empurrar conteúdo de uma empresa para a newsfeed de amigos. Por fim, 29% não querem que as empresas os contatem pelo Facebook e 21% não vê nenhum benefício em se vincular às empresas nas rede social.

Por outro lado, os três principais motivos que fazem o usuário virar fã/seguidor de uma página de empresa no Facebook são: ganhar acesso a eventos, conteúdo ou vendas exclusivas (58%), receber descontos ou promoções pelo Facebook (58%), e receber atualização da empresa na sua newsfeed (47%). Um ponto relevante e que valida de certa forma o que foi dito acima é que apenas 28% dos respondentes falaram que “curtiram” a página de uma empresa para interagir com ela. Além disso, 37% apontaram que não esperam nada após “curtirem” a página da empresa.

Por isso as companhias devem ter consciência que conquistar um fã ou seguidor tem sim sua importância, mas ainda há um longo caminho para engajar e criar um vínculo com este. Caso contrário, ele servirá apenas como um número, que no máximo representará audiência e um aumento da visibilidade da marca/empresa. Portanto, a busca pelo relacionamento com o usuário deve ser o foco principal da iniciativa. Todos os outros resultados dependem desse bom relacionamento e interação. Só após conquistar esse relacionamento e interação que a empresa pode começar a reverter isso em engajamento e fidelidade, e, consequentemente em novas vendas. Esse é um trabalho que deve ser realizado com paciência e com amplo planejamento, só assim resultará em sucesso.

Brasil é líder em audiência de redes sociais: o que você está esperando?

O Brasil é o país do mundo com a maior audiência de redes sociais. Por aqui, 18,9% do tempo online dos usuários foi usado em  sites de relacionamento em agosto, mostrou estudo da Experian Hitwise. O dado revela que é de suma importância para as empresas e marcas estarem presentes nas redes sociais para se relacionar com seus clientes e aproveitar as oportunidades do meio para realizar relacionamento, engajamento, influência, e num futuro, oportunidade de conquistar  novos clientes e vendas. Dessa forma, a empresa que ainda não tem estratégia de  social media deve começar urgentemente a iniciar um planejamento para atuar no meio. Mas friso a palavra planejamento – como já menciona em um post anterior – , não adianta entrar por entrar, sem um plano estratégico definido. Apesar de ser necessária, essa adoção de social media tem que ser muito bem planejada,estar ligada às diretrizes e foco da empresa, e ser implantada por meio de fases para gerar resultados positivos. Isso porque a atuação com mídias sociais requer aprendizado.

Estar presente nas redes sociais é uma necessidade das empresas, pois apesar da sua marca ter conta ou não nas redes, ela está sendo assunto nestas. Dessa forma, realizar o monitoramento, ao menos, é uma obrigação no atual status quo. O consumidor é ávido por relacionamento e quer se comunicar com as empresas, mas à sua maneira. Hoje, ele quer uma comunicação de mão dupla – ouvir e ser ouvido –, porque as redes sociais permitem isso. Além disso, quer uma comunicação personalizada e interativa, não baseada em textos padronizados. Portanto, proporcionar esse canal de comunicação é questão de sobrevivência no mundo virtual. As mídias sociais podem ser consideradas uma quebra de paradigma no modelo de comunicação entre empresas e consumidores. E se adaptar a essa era das redes sociais e dos consumidores 3.0 já deixou de ser um diferencial e se tornou necessário.

Para se ter uma ideia da importância do uso de redes sociais no Brasil, a audiência destas no país ficou à frente de países como  Cingapura, onde 16,4% do uso de internet foi atrelado a redes sociais em agosto, Estados Unidos (15,4%), França (15,1%), Índia (14%), Nova Zelândia (13,9%), Austrália (13,1%) e Reino Unido (12,2%). Já quando analisado o tempo médio gasto pelo usuário em redes sociais, o Brasil ocupou a oitava posição no ranking, sendo que em agosto cada user brasileiro permaneceu logado, em média, 18m19s por sessão. A líder nesse quesito foi a Nova Zelândia (30m31s), seguida pela Austrália (26m27s), Reino Unido (25m33s), França (21m53s), Estados Unidos (20m46s) e Índia (20m21s). A liderança nesse quesito ficou com Cingapura, com 38m46s.

O estudo apontou que o Orkut foi a rede social com maior audiência no Brasil em agosto, respondendo por 42,88% do total de visitas a sites de relacionamento, enquanto o Facebook fechou o período com representatividade de 19,71%. O resultado revela uma acelerada queda na diferença entre ambas, ao passo que em agosto de 2010 a parcela do Orkut era de 61,61% e a do Facebook, de apenas 3,34%. Somente em relação ao mês de junho, quando seu market share era de 46,11%, o Orkut registrou queda de 3,23 pontos percentuais, ao passo que o Facebook, que tinha 18,24%, elevou sua quota em 1,47 ponto percentual. A participação do Twitter sobre o total de visitas a redes sociais, por sua vez, ficou em 3,33% em agosto deste ano, contra 3,05% de julho e 2,59% de agosto de 2010. Já o tempo médio gasto por sessão pelos usuários foi de 21m50s no Orkut, de 18 m19s no Facebook e de 16m13s no Twitter, números muito próximos.

Divulgação

Mas como decidir em qual rede atuar? Os números acima podem auxiliar fortemente a sua decisão. Mas, antes de qualquer coisa, é necessário a empresa ter claramente qual seu público-alvo, pois isso vai delimitar em quais redes estar presente. Os dados da Experian deixam claro que, além do Facebook e Twitter, o Orkut ainda deve ser considerado como rede prioritária nas estratégias de social media das empresas, desde que o site de relacionamento do Google ainda tenha usuários do seu público-alvo (isso deve ser analisado).

Apesar da diferença de audiência entre ela e o Facebook, vale ressaltar que boa parte dos usuários do segundo ainda mantém conta ativa no primeiro. Os números indicam que a tendência é que o Facebook ultrapasse o Orkut no Brasil no curto-médio prazo, mas a migração de pessoas da classe C e mais baixas deve ocorrer muito mais lentamente, o que ainda fará da rede social do Google um ponto importante da estratégia de social media de diversas empresas, dependendo do seu público alvo.

Mas uma estratégia de social media pode ir além destas três redes mais comuns. Analisar o crescimento do Google+ é um ponto importante, principalmente agora que o cadastramento foi aberto ao público. Tumblr, Instagram, Youtube, Flickr, Foursquare, Formspring, entre outras, também têm seu potencial, dependendo do foco da estratégia e do público-alvo.