Arquivos do Blog

91% das grandes marcas têm presença em lojas de aplicativos móveis

Número de aplicativos baixados aumenta expressivamente

O intenso uso de celulares e aplicativos móveis pelas pessoas já chama de maneira bastante intensa a atenção das empresas/marcas, que apostam em apps para aumentar a visibilidade e ampliar o relacionamento com o cliente. Estudo realizado pela Distimo mostrou que 91% das maiores marcas globais – as 100 maiores segundo a Interbrand  –  já contavam com apps em pelo menos uma das lojas de aplicativos móveis mais relevantes, sendo estas a App Store (Apple), Android Market (Google), Nokia Ovi Store, BlackBerry App World, Windows Phone 7 Marketplace e Amazon Appstore.

Um dado interessante é que a grande maioria não pretende angariar receitas com tal estratégia de aplicativos móveis, mas a enxergam principalmente como uma forma de aumentar a visibilidade da marca e manter relacionamento com os clientes. Somente 27% das marcas citaram que pretendem levantar dinheiro com seus apps. Assim como nas redes sociais, a questão do relacionamento e visibilidade tem que ser o objetivo principal de tais estratégias.

Ao fim de setembro, essas maiores marcas/empresas tinham conjuntamente 2.343 apps publicados nas lojas de aplicativos, número 43,6% superior na comparação com os 1.631 de março deste ano. Além disso, representa mais que o dobro dos 1.091 de setembro de 2010. Cada marca tem, em média, com 24 aplicativos móveis.

Como esperado, a Apple é o principal canal para as companhias publicarem seus aplicativos, sendo que a  App Store para a iPhone é a loja mais utilizada pelas maiores marcas, seguida pela App Store para iPad. Depois delas vêm, nesta ordem, Android Market, BlackBerry App World, Amazon Appstore e Windows Phone 7 Marketplace.

Anúncios

Compilação de alguns números de social media

Vasculhando diversos sites sobre social media da nossa rica web para ler sobre social media, achei diversos números interessantes sobre mídias sociais de diferentes fontes. Estes podem ser úteis para diversas pessoas e empresas, portanto, achei bacana resumir algumas informações e colocá-las em um texto único.

Aí vamos nós.

– Mais de 1 bilhão de pessoas usam redes sociais, ou seja, 70% do número global de internautas, sendo que cerca de 600 milhões o fazem pelo menos uma vez ao dia (InSites Consulting)

– No Brasil, em média, cada user tem conta em 3,1 redes sociais. Nos Estados Unidos essa média é de 2,1, e de 1,9 na Europa, onde 50% dos usuários têm conta somente em uma rede social. Na Índia, por sua vez, essa média é de 3,9 (InSites Consulting)

– 60% dos usuários não querem utilizar uma nova rede social e 93% não pretendem sair da atual mídia social que usam. (InSites Consulting)

– menos de 50% dos users de social media estão conectados a marcas/empresas. 42% mantêm uma conversação mais intensa com a marca por meio de redes sociais. (InSites Consulting)

– 36% dos usuários postam conteúdo sobre as marcas nas redes sociais (InSites Consulting)

–  Usuário permanece logado 37 minutos em cada sessão no Facebook. No Twitter, esse tempo é de 22 minutos. (InSites Consulting)

– Cerca de 400 milhões de internautas usam o Facebook diariamente

– Paradoxo do Twitter: 80% dos internautas estão atentos/conhecem o Twitter, mas apenas 16% realmente o usam  (InSites Consulting)

– 81% dos usuários do Twitter seguem menos de 100 pessoas.

– Apesar do Twitter ter 100 milhões usuários ativos e 50 milhões que publicam diariamente, 50% dos tweets são publicados por 20 mil usuários

– No Brasil, 86% dos internautas ativos têm conta em alguma rede social, contra 76% nos Estados Unidos e 73% na Europa. Na Índia, esse índice é de 88%.

– 71% dos usuários brasileiros entram em alguma rede social diariamente. Taxas que ficam em 63%, nos Estados Unidos,  60%, na Europa, e 83%, na Índia

– 67% dos internautas brasileiros têm conta no Orkut, 59% no Facebook e 34% no Twitter. O que fazem destas as três redes mais utilizadas no país. Nos Estados Unidos, o líder é o Facebook (70%), seguido pelo LinkedIn (22%) e Twitter (20%). Na Europa, por sua vez, o Facebook (62%) também está no topo, com o Twitter (16%) ficando em segundo. Por fim, Facebook (72%), Orkut (66%) e Twitter (41%) são os top 3. (InSites Consulting)

– Já a Nielsen aponta que 64,69% dos internautas brasileiros têm conta no Orkut; 60,19%, no Facebook; 50,73%, no Blogger; 31,7%, no Twitter; e 28,3%, no WordPress. Nos Estados Unidos, 68,48% estão no Facebook; 22,5%, no Blogger; 13%, no Twitter; e 1023%, no Worpress.

Mashable

Mashable

– Nos Estados Unidos, os usuários gastam mais tempo no Facebook do que em qualquer outra rede. Em maio passaram 53.457.258 minutos on-line no Facebook. Depois vêm Blogger (723.796 minutos), Tumblr (623.525 minutos), Twitter (565.156 minutos) e LinkedIn (325.679 minutos). (Nielsen).

– Ainda no país norte-americano, 71% das empresas têm Facebook, 51% têm Twitter, 50% fazem uso do Blogger e 33%, do Youtube. Além disso, atualmente por lá 39% das companhias usam blogs para campanhas de marketing, parcela que deve subir para 43% no ano que vem.

– Cerca de 49%, 50% das pessoas que têm conta no Twitter, nunca, ou raramente, usam seu perfil. Assim, dos atuais 200 milhões de internautas cadastrados no Twitter globalmente, apenas 100 milhões postam algo ao menos uma vês por mês. Sendo que apenas 50 milhões utilizam o Twitter diariamente.

– Nos Estados Unidos, pesquisa com usuários do Twitter apontou que 25% dos respondentes veem Promoted Tweets se considerarem que este é relevante para si. 21,4% disseram que já receberam descontos de Promoted Tweets. Além disso, 14% apontaram que já deram retweet em Promoted Tweets. O mesmo estudo apontou que 30,6% dos entrevistados afirmaram seguir entre 1 e 5 marcas/empresas no Twitter. Já 19,6%, disseram que seguem de 6 a 10, e 17,8%, de 11 a 20. Por fim, 9,8% declararam que seguem de 21 a 30; 3,4%, de 31 a 50; e 8,2%, comentaram que seguem mais de 51 marcas/empresas. (Lab42)


– Usuários norte americanos de redes sociais têm maior propensão a se relacionar com suas marcas/empresas favoritas pelo Facebook, onde 34% dizem fazer isso. No Twitter, essa parcela é de apenas 4%, em Blogs também é de 4%, e no LinkedIn, de 1%. Além disso, 33% dos usuários do Facebook são fãs, ou seja, “curtem”/“curtiram” entre 1 e 2 páginas de empresas/marcas; 25%, entre 3 e 4; 20%, de 5 a 9; e 22% mais de 10.

Destes fãs, 58% disseram que o são por serem clientes da empresa, 57% citaram que são fãs porque receberam algum tipo de desconto ou promoção da companhia, 41% para mostrar a outros usuários que ele gosta da marca/empresa, 31% para saber sobre novidades da marca/empresa, e 31% para ganhar acesso a conteúdos exclusivos.  77% disseram que a forma de interação com as fan pages envolve apenas a leitura dos posts, feed de notícias e ofertas da marca. Somente 17% comentaram que compartilham experiências e histórias com outros sobre a marca e apenas 13% fazem algum post sobre a marca/empresa.  Já 17%, afirmaram que não fazem nada. (CMB Consumer Pulse e Constant Contact)

– Estudo realizado pela DDB Paris e OpinionWay em sete países (França, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Turquia e Malásia) apontou que dois de cada cinco usuários do Facebook dão “unlinked” nas páginas de empresas. Entre as principais razões foram citadas pelos respondentes: a informação disponibilizada não foi interessante (46%), informação foi publicada muitas vezes (36%), a empresa publicou algo que não gostei (27%), e as informações foram publicadas nãos muitas vezes o suficiente, ou seja, baixa atividade (14%).

– 80% dos usuários dos Estados Unidos de redes sociais disseram que preferem o Facebook para se conectar/interagir com as empresas, contra apenas 6% que preferem o Twitter e 3%, o Linkedin. (Edison Research and Arbitron found)

– Mundialmente, pesquisa realizada com usuários do Facebook que são fã de páginas revelou que 61% destes disseram que sua intenção de compra de produtos da marca/empresa não se alterou pelo fato de ser fã. Por outro lado, 36% afirmaram que sua intenção de compra de produtos/serviços de determinada marca aumentou quando passou a ser fã dela no Facebook. 3% pontuaram que a intenção de compra diminuiu. (eMarketer)